Notícias

Beto Richa deu de graça uma fábrica de cervejas para a Ambev, diz The Intercept

05/03/2018

Reportagem de Rafael Moro Martins, no The Intercpet, revela os bastidores das regalias que Ambev obteve do governo de Beto Richa (PSDB) para se instalar uma fábrica de cervejas no Paraná. A multinacional ganhou de graça as instalações no município de Ponta Grossa, região dos Campos Gerais, a 100 km de Curitiba. Curioso é que o assunto “vazou” após uma disputa judicial com um bar da capital paranaense.

 

O tucano Beto Richa pode ter dado de graça a fábrica para a multinacional da Ambev por meio de incentivos fiscais do programa Paraná Competitivo, cujas cláusulas ficaram cinco anos mais guardados que os segredos de Nossa Senhora de Fátima. Esse novo escândalo só veio à tona porque a cervejaria tinha que entregar um terreno que possui em Curitiba na contrapartida dos R$ 843 milhões de incentivos até 2020. Mas é aí que a porca torceu o rabo. No local tem o “Bar Brahma” de propriedade de João Guilherme Leprevost, irmão do deputado estadual Ney Leprevost (PSD), desafeto de Richa desde as eleições de 2016 quando foi preterido pelo prefeito Rafael Greca (PMN). João Guilherme judicializou a questão porque alega ter um contrato com a Ambev até 2027.

 

Os problemas de Beto Richa não param por aí. A confecção de cláusulas secretas que beneficiam apenas um determinado negócio ou empresa tem as características da ilicitude. A Associação de Fabricantes de Refrigerantes do Brasil (Afrebras), ao The Intercept, afirmou que a medida determinada pelo governador tucano cria concorrência desleal no setor, além de ter feito com que o contribuinte desse de presente uma fábrica para a multinacional.

 

“O acordo com a Ambev criou uma concorrência desleal, e mostra o poder público trabalhando exclusivamente para as grandes corporações”, protesta Fernando Rodrigues de Bairros, presidente da Afrebras, que reúne 106 fabricantes de bebidas de menor porte em todo o país – 16 delas delas instaladas no Paraná. “O ICMS é o imposto de mais impacto. Com os benefícios do governo, a alíquota da Ambev fica em 3%. A do pequeno fabricante é de 12%”.

 

O diabo é que Beto Richa vetou um projeto aprovado na Assembleia Legislativa do Paraná que beneficiaria os concorrentes menores da Ambev. De acordo com a reportagem do The Intercept, os deputados derrubaram o veto do tucano, que entrou com uma ação direta de inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça do Paraná. O governador do PSDB alegou que o benefício aos pequenos causaria um prejuízo anual de R$ 12 milhões aos cofres públicos estaduais. Note o caríssimo leitor que ele mesmo, Beto Richa, concedeu uma mamata de R$ 843 milhões à Ambev de 2012 até 2020, ou seja, R$ 105 milhões por ano somente para uma fábrica.

 

Fonte: Blog do Esmael Morais

Voltar