Brasília

-

Hoje

33ºC

20ºC

Amanhã

34ºC

19ºC

IBOVESPA | -1,81% (98.289,71 pontos)

Confira as tendências de redução e substituição de açúcar em refrigerantes

Analista de qualidade da Afrebras explica porque fábricas estão alterando composição das bebidas

Por Portal de Bebidas Brasileiras| 13/05/2020

Tamanho da Fonte

A- A+

A tendência de diminuição de açúcar em vários produtos, como refrigerantes, está cada vez frequente na indústria de bebidas e alimentos. Consequentemente, as fábricas estão substituindo parcial ou totalmente o conteúdo de açúcar por edulcorantes, popularmente conhecidos como adoçantes. A pedido do Portal de Bebidas Brasileiras, a analista de qualidade da Afrebras (Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil), engenheira de alimentos Domênica Maioli, fez um levantamento sobre principais motivações para essas alterações.

Em 2018, o Ministério da Saúde fez um acordo em parceria com a OMS (Organização Mundial de Saúde) para que o setor industrial diminuísse a quantidade de açúcar em determinados alimentos, entre eles as bebidas açucaradas, como o refrigerante. O objetivo é a redução gradativa de 144 mil toneladas de açúcar até 2022.

Dessa forma, gradualmente, as empresas devem diminuir a quantidade de açúcar dos seus produtos nos próximos anos, tanto por uma questão de adaptação de mercado como por uma questão de saúde da população, como explica a analista da Afrebras. A mesma medida passou a ser adotada há alguns anos com o sódio também.

Porém, diminuir uma matéria prima de um produto envolve procedimentos mais complexos, como a degustação e a aceitabilidade dos consumidores. “O objetivo da medida, a princípio, não é mudar o sabor dos produtos, mas minimizar seu possível impacto negativo à saúde de quem os consome”, explica Domênica.

As pessoas têm procurado cada vez mais por produtos saudáveis. Segundo a engenharia de alimentos, refrigerantes têm, na sua composição, uma quantidade significativa de açúcares. “Por conta dessa tendência de redução, indústrias, como a Xuk Bebidas, do Rio Grande do Sul, começaram a inovar no seu portfólio de produtos, substituindo os açúcares, na sua totalidade ou parcialidade, por esses ‘adoçantes’, ou então simplesmente reduzir a quantidade de açúcar aos poucos, para que a percepção do consumidor não seja muito abrupta.”, explica ela.

Para os consumidores habituais de refrigerante, essa alteração no açúcar pode ser mais perceptiva. De acordo com Domênica, alguns edulcorantes (adoçantes) têm um sabor residual e característico. “Quem não é acostumado consegue notar a diferença facilmente”, afirma a especialista.

É possível encontrar produtos com zero açúcar e composto apenas por adoçantes. Existem ainda outros produtos que têm, por exemplo, uma mistura de açúcar e edulcorantes. “Mesmo nesse último exemplo, às vezes, é possível notar a diferença. Isso acontece porque o açúcar é o responsável por dar ‘corpo’ ao refrigerante”, diz Domênica. Segundo ela, quando é retirado do produto, mesmo em pequena porcentagem, é possível perceber a diferença para alguns consumidores.

É permitido por lei, desde 2015, misturar açúcares e edulcorantes. Na avaliação da analista de qualidade da Afrebras, com a flexibilização das legislações de alimentos, as empresas têm mais possibilidade de inovar em seus produtos. “Desde então, vemos as indústrias buscando alternativas para o açúcar nos seus produtos”, destaca a analista de qualidade da Afrebras.

Não somente a indústria de bebidas que está se adaptando, mas também a de ingredientes. Há tecnologias que mascaram o sabor residual de edulcorantes aproximando o sabor do produto ao adoçado com açúcar. Existem também os aromas de dulçor que podem ajudar a reforçar o sabor do açúcar, por exemplo. Com essas e outras tecnologias, é possível reduzir a quantidade de açúcar contida sem alterar muito o perfil sensorial.

Mas esse é um caminho longo a ser percorrido pelas indústrias, pois, conforme explica a engenheira de alimentos, não é fácil alterar a composição de um produto. Apesar disso, a indústria deve estar preparada para essas mudanças, pois elas acontecem com certa frequência. O perfil de consumo também muda ao longo dos anos e a indústria deve ficar preparada e atenta para acompanhar esses diferentes cenários.