Brasília

-

Hoje

28ºC

11ºC

Amanhã

28ºC

14ºC

IBOVESPA | 0,49% (99.643,80 pontos)

Compre do pequeno: ‘Investimos e empregamos na região’, diz São Carlos

Diretor da fábrica de SP reforça pedido por valorização de produtos regionais durante pandemia

Por Portal de Bebidas Brasileiras| 03/06/2020

Tamanho da Fonte

A- A+

“Nós faturamos, investimos e empregamos na região”, destaca o diretor da fábrica Refrigerantes São Carlos, Tiago Carelli. Ele ressaltou, nesta terça-feira (2), ao Portal de Bebidas Brasileiras, a importância de indústrias de regionais na geração de empregos à população. Carelli reforça o pedido por valorização do pequeno produtor principalmente durante a crise provocada pela pandemia da Covid-19 no Brasil. A empresa fica em São Carlos, a cerca de 240 quilômetros de São Paulo.

Tiago Carelli, assim como vários outros executivos de bebidas associados da Afrebras (Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil), fortalece a campanha “Compre do pequeno”. A mobilização é apoiada pela entidade, que luta há mais de 15 anos por justiça no setor de bebidas, e busca dar visibilidade às pequenas e médias fábricas de bebidas que sofrem com os efeitos da pandemia do coronavírus na economia brasileira.

O diretor da indústria Refrigerantes São Carlos afirma que as vendas do negócio caíram cerca de 20% desde a publicação do primeiro decreto que pedia o fechamento do comércio e o isolamento social da população do Estado de São Paulo.

Bebidas produzidas pela fábrica Refrigerantes São Carlos – Foto: Divulgação

‘Momento de incertezas’

Carelli classifica o atual cenário enfrentado por empresários de bebidas brasileiros como “momento de incertezas”. Segundo ele, há contradições em discursos dos governos federal e estadual em relação à reabertura gradual do comércio.

“Nós temos grande participação no varejo e pequeno comércio da região [em São Carlos], mas, com o fechamento de vários pontos de vendas por causa do decreto, fomos prejudicados. Houve redução de quase 40% nas vendas da fábrica a esses estabelecimentos”, lamenta o empresário de bebidas.

>> Veja vídeos da campanha “Compre do pequeno” no Portal de Bebidas Brasileiras!

De acordo com Carelli, a empresa optou por suspender contratos principalmente na área comercial, se apoiando na estratégia de segmentação dos canais de vendas do negócio. Ele conta que os vendedores que se direcionavam mais com o varejo foram dispensados, mas com opção de recontratação caso haja retomada no crescimento da fábrica.

Contudo, os colaboradores da fábrica não tiveram redução na carga horária de trabalho e, consequentemente, não tiveram os salários reduzidos. O diretor pondera que os funcionários da área de produção e distribuição chegaram a ficar quase uma semana sem expediente, por causa de créditos no banco de horas da empresa.

‘Mercados supriram parte da demanda’

Com o fechamento de vários pontos de venda, o faturamento do negócio caiu. No entanto, segundo Carelli, mercados e supermercados foram responsáveis por suprir parte da demanda do pequeno comércio, fortalecendo a relação comercial com a fábrica Refrigerantes São Carlos. Ele afirma que a diretoria adequou a empresa conforme a demanda e o faturamento.

“Caso a situação da saúde e da economia não melhore, vamos aguardar se o governo nos proporcionará algum incentivo ou alguma situação de crédito mais barato, porque o acesso ao crédito está muito difícil”, sugere Carelli, analisando a probabilidade de, a longo prazo, haver agravamento na crise provocada pela pandemia da Covid-19.

‘É importante valorizar’

“O principal é que a gente [fábricas de bebidas regionais] investe no Brasil e na região”, destaca o dono dos refrigerantes São Carlos. “Empregamos cerca de 40 funcionários. Se pegarmos uma média de três pessoas por família, são quase 120 famílias que dependem do trabalho. É importante valorizar as indústrias locais”, ressalta o diretor.

Carelli pondera que a maioria das multinacionais de bebidas, como Coca-Cola, Ambev e Heineken, isntaladas na Zona Franca de Manaus, remetem o lucro e os investimentos para fora do país. Ele critica que, quando essas grandes corporações se propõem a investir no Brasil, utilizam dinheiro público, como o do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

“Acredito que, quando a economia brasileira e mundial se estabilizar e as incertezas forem embora, as empresas que sofreram, se sacrificaram e seguraram a barra durante essa crise terão uma fase boa”, diz o diretor Tiago Carelli.

O Portal de Bebidas Brasileiras publicou, nas últimas semanas, outras sete reportagens na série da campanha “Compre do pequeno”. As reportagens destacaram a importância do comércio local, a relevância das fábricas regionais, a geração de emprego por pequenas e médias empresas, produção de qualidade e preço justo e a participação das indústrias na vida da população e a relação direta das produtoras de bebidas com a comunidade e a importância do consumidor.